segunda-feira, 14 de maio de 2018

A religião dos jovens no Brasil contemporâneo


Oi, gente!! Estamos um pouco desatualizados, mas voltaremos a dar noticias por aqui sobre as atividades que estamos desenvolvendo.
Em janeiro de 2018 aconteceu na UERJ o Seminário de Pesquisa - A religião dos jovens no Brasil contemporâneo. Vários membros do DT- Crelig estiveram presentes apresentando suas pesquisas e ouvindo as contribuições. Veja no link como foi bacana. Vai sair um dossiê pela Revista Interceções - UERJ. Se você tiver qualquer questão ou interesse em estudar juventude e religião, entre em contato com a gente.
Acesse o link do Seminário: https://areligiaodosjovens.wixsite.com/seminario
_________

A proposta do seminário é promover um debate sobre a religião de jovens brasileiros, especialmente a partir de dados produzidos na pesquisa “As novas configurações da religião no século XXI”, que consistiu em surveys com jovens de 15 a 30 anos participantes dos eventos Jornada Mundial da Juventude - JMJ(2013) e Marcha para Jesus (2014), no Rio de Janeiro. Os dados levantam questões sobre o perfil dos jovens religiosos e sobre quais seriam os elementos que os distinguem de seus pares geracionais, incluindo jovens sem religião.
          Seria possível relacionar os valores desses jovens com posições políticas consideradas anti-democráticas? Como discutir intolerância social a partir desses sujeitos pesquisados? Que tendências emergem entre a juventude no que se refere a valores, moralidades, cosmovisões religiosas e orientações políticas?
          A partir da reunião de pesquisadores que têm se dedicado ao estudo da relação entre religião e juventude abordando catolicismos e novas comunidades; jovens sem religião, jovens das Igrejas Assembleias de Deus e Universal do Reino de Deus, além da juventude universitária, o seminário pretende ainda ser um espaço de agregação e de refinamento de categorias analíticas que vêm sendo adotadas nas ciências sociais, tais como conservadorismo, tradicionalismos e progressismos. 

https://areligiaodosjovens.wixsite.com/seminario

sábado, 3 de junho de 2017

A "ideologia de gênero" e a juventude assembleiana - perspectivas sociológicas.

O "III Simpósio de Gênero e Sexualidade - Religiões, Mídias e Corporalidades e I Congresso Nacional de Gênero e Sexualidade de Mato Grosso do  Sul" que ocorreu entre os dias 24 e 26 de  Maio, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, contou com a participação de Bruna Lasse Araújo, membro do grupo DT-Crelig, apresentando o trabalho: A "ideologia de gênero" e a juventude assembleiana - perspectivas sociológicas.

Nos últimos anos, no campo educacional e religioso têm surgido debates acalorados sobre a temática de gênero, principalmente depois da votação do Plano Nacional da Educação (PNE), realizada em 2014. Na época, líderes religiosos se posicionaram contra ao que chamaram de 'ideologia de gênero', argumentando que esta buscava a destruição da família, da moral e dos bons costumes. A pesquisa em desenvolvimento objetiva compreender quais são os impactos dessa discussão no interior das comunidades evangélicas de origem pentecostal, sobretudo entre a juventude das igrejas Assembleia de Deus (AD). O município de Seropédica é o lócus de realização da pesquisa por apresentar a maior taxa de evangélicas/os da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Busca-se entender quais fatores influenciam o posicionamento das/dos jovens assembleianas/os. Para isso, serão mapeadas as AD, a partir de técnica de pesquisa snowball, e serão realizadas entrevistas com as/os jovens. Espera-se que o estudo permita demonstrar e compreender o posicionamento de uma parcela da juventude assembeliana em Seropédica frente aos debates sobre a chamada 'ideologia de gênero'.


Mais informações sobre o evento.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Revista IHU on-line: Entrevista especial com Silvia Fernandes

"Desvinculação religiosa entre os jovens é maior do que a adesão ao pentecostalismo. Entrevista especial com Silvia Fernandes."

 

 

A Professora, pesquisadora e coordenadora do Grupo DT-Crelig, Silvia Alves Fernandes concedeu uma entrevista à revista Instituto Humanitas Unisinus on-line, onde discute e apresenta elementos importantes para compreender o processo de desvinculação religiosa entre jovens. A entrevista pode ser lida na íntegra na  Revista IHU On-line.

 

segunda-feira, 3 de abril de 2017

VII Edição do JUBRA em Fortaleza.


  
 
 O VII Simpósio Internacional sobre a Juventude Brasileira – JUBRA, 2017 acontecerá em Fortaleza - CE - 12 a 15/08/2017. 
  Se você pesquisa catolicismo e juventude envie seu trabalho para o nosso GT: Culturas católicas juvenis no eixo temático: Juventudes, espiritualidade e religiosidade. Coordenação: Flavio Sofiati (UFG); Carmem Lucia Teixeira (UFG) e Sílvia Fernandes (UFRRJ).
  Dia 01/04/2017 começa o prazo para submissão de comunicação oral.
 
Mais informações em: http://jubra2017.com.br/

sábado, 4 de março de 2017

SIMPÓSIOS TEMÁTICOS UPF

 De 24 a 27 de maio de 2017 ocorrerá o "V Simpósio do Grupo de Trabalho de História das Religiões e das Religiosidades" que contará com a coordenação da Prof. Dra. Sílvia Fernandes (UFRRJ), no  seguinte simpósio: 

Religião e cultura política juvenil - sobre conservadorismos e seus usos analíticos





RESUMO: A proposta deste Simpósio é refinar o conceito de conservadorismo reunindo pesquisas que tenham como objeto de análise a juventude e suas distintas formas de desenvolvimento das culturas religiosa e política. Atualmente tem sido frequente a atribuição do termo conservadorismo a determinados extratos da sociedade brasileira. Se aplicado aos segmentos juvenis, o termo estende-se da política a religião gerando uma espécie de lugar comum demarcado pelas ideias de política corporativa; desprezo das narrativas relacionadas a direitos humanos; valorização da virgindade difundida por alguns grupos religiosos, extremismos de natureza política e/ou religiosa. Com efeito, embora se presencie um debate mais intenso sobre o que tem sido denominado “onda conservadora” – adensado, sobretudo a partir do impeachment da presidente Dilma Rousseff –, há aproximadamente uma década discutiu-se a necessidade de desconstruir a tese que associava juventude aos conservadorismos moral religioso e político (Venturi; Bokany, 2005); tese essa defendida tanto pela mídia quanto pela literatura acadêmica (Orturi 2015). Desse modo, ainda que grupos minoritários tenham aderido a determinados valores relacionados à contracultura, a maioria reproduzia os padrões sociais vigentes. A vanguarda seria, portanto, uma atitude que por definição poderia ser atribuída a uma minoria, não cabendo comparações vis-à-vis. Da mesma forma, traçar um paralelo geracional no que se refere à cultura política e associativismo também seria improdutiva (Venturi; Bokany, 2005) na medida em que os jovens tendem a reproduzir tendências vigentes no tecido social. Considerando-se a esfera religiosa, a complexificação do conceito “conservadorismo” mostra-se uma vez mais pertinente. Se os jovens vinculados a movimentos como a Renovação Carismática Católica ou “Eu escolhi esperar” são considerados conservadores por parte da literatura (Carranza 1998; Orturi 2015), caberia esmiuçar as características e formas de manifestação de tal conservadorismo, assim como o alcance de seu ethos junto aos seus pares geracionais nos distintos segmentos religiosos. Por sua vez, caberia questionar se jovens autodeclarados sem religião sustentariam algum tipo de conservadorismo moral, religioso ou político, colocando um ponto de tensão na atribuição de conservadores aos jovens religiosos contemporâneos (Fernandes 2013). Tendo em vista a evidência de segmentos juvenis na esfera pública, tanto pelos protestos e ocupações estudantis, quanto pela presença em movimentos e eventos de natureza religiosa, este simpósio privilegia estudos e pesquisas que possam fortalecer e ampliar o debate em curso.

Haverá ainda outros simpósios:     
  • Catolicismos e Política: conservadores e progressistas no cenário latino-americano

Dr. Ianko Bett (Museu Militar do Comando Militar do Sul (MMCMS))

Dra. Gizele Zanotto (UPF)

  • Discursos e dualidades nas/das religiões e manifestações religiosas 
Dra. Eliane Cristina Deckmann Fleck (UNISINOS)

Dr. Mauro Dillmann (UFPEL)


  •  Patrimônio, Festas e Crenças
Dr. Eduardo Roberto Jordão Knack (UFPel)

Dda. Francielle Moreira Cassol (UPF)

  • Crenças, devoções, rituais e festas: práticas e discursos nas religiões
Dra. Edilece Souza Couto (UFBA/UEM)

Dra. Vanda Fortuna Serafim (UEM)

  • Religiões afro-brasileiras: seus temas e suas fontes
Dda. Elizabeth Castelano Gama (UFF)

  • Do Concílio tridentino ao ultramontanismo: o catolicismo e suas práticas sociais no Brasil através dos séculos
Dda. Alba Cristina Couto dos Santos Salatino (Unisinos)

Dda. Denize Terezinha Leal Freitas (UFRGS)


  •  As religiões mediúnicas e campo religioso brasileiro: agentes, instituições e legitimação social
Dra. Beatriz Teixeira Weber (UFSM)

Ddo. Renan Santos Matos (UFSC)

Ddo. Bruno Cortês Scherer (UFSM)


  • Filosofia da religião
Ddo. Marcelo José Doro (UPF)

Dr. Marciano Adílio Spica (UNICENTRO)

Dr. Francisco Fianco (UPF)


  • As Religiões Afro-brasileiras e a Escola
Profa. Carmem Holanda (Centro de Atendimento Social Conceição

e Escola de Educação Infantil (CASC/Carazinho-RS))

Me. Frederico Santos dos Santos (UPF)


  •  História da Educação e Religião: discursos, práticas e instituições
Ddo. Fernando Cezar Ripe (UFPel)

Dda. Renata Brião de Castro (UFPel)

  • Gênero, processos migratórios e religião

Dr. Daniel Luciano Gevehr (FACCAT e ISEI)

Dra. Marlise Regina Meyer (UPF)

Dra. Rosane Márcia Neumann (UPF)

  • Religiões, religiosidade e gênero

Dra. Nadia Maria Guariza (UNICENTRO)

Dda. Mara Maschio (UFPR)



 As inscrições poderão ser realizadas até 30 de março de 2017, aqui!



terça-feira, 29 de novembro de 2016

História e Catolicismo na Contemporaneidade: Renovação ePraxis no Mundo Cristão.

O evento que ocorrerá dia 8/12, das 13:00h às 16h:30min, no Instituto de História da UFRJ, contará com a presença da Profª DRª Silvia Regina Alves Fernandes, discutindo "Catolicismo e Pluralismo religioso na Sociedade Brasileira".